Depoimento – Cristiano Trein (MEXT – Pesquisa)

Depoimento – Cristiano Trein (MEXT – Pesquisa)

“Gostaria de pedir minha demissão”. Assim começava minha transição entre a então hipotética e a já surpreendente realidade de me mudar para Kyoto, no Japão. Lembro-me que, até a comunicação oficial do Consulado Geral do Japão em Manaus, tudo não passava de uma “esperança arrojada”. Então, de repente, via-me fazendo planos concretos. Cheguei ao Japão no dia 05 abril de 2006; assustei-me, surpreendi-me, alegrei-me, sofri, aprendi e, sobretudo, cresci como ser humano. E como prêmio extra, sai de lá com o título de Doutor, de uma universidade reconhecida internacionalmente – Kyoto Daigaku. O caminho não foi fácil. Contudo, foi também rodeado de coisas boas, aprendizados importantes e muita amizade.

A empreitada começou de uma conversa com um amigo, em Manaus. Ele sabia da minha vontade de fazer o doutorado e do meu sonho de morar no exterior. Comentou que o Japão tinha um programa de bolsas de estudo que possibilitaria isso – bolsa Monbukagakusho – e que as inscrições para o próximo ano estariam abertas. Imediatamente, meus olhos brilharam. Naquela época, o Japão existia na minha cabeça como um mundo à parte. Um universo que unia o ultra-tecnológico, o samurai, o manga, o robô, Tokyo, a geisha, as artes marciais. Coisas difíceis de interpolar, mas que no Japão existiam em um contexto de convivência harmônica. Eu, definitivamente, tinha que fazer parte dessa realidade.

Fiz a inscrição, as provas, os contatos e… bingo: passei!!  Graças ao meu orientador de mestrado, consegui aproximar-me do meu futuro orientador no Japão, que me ajudou a desenvolver o projeto de pesquisa para concorrer à bolsa. Tive a felicidade de poder propor um tema em uma área muito relacionada ao meu mestrado. E isso, para mim, era uma grande vantagem. Então, de malas prontas, lágrimas nos olhos e coração cheio de angústias, parti para uma viagem de três anos e meio.

Cheguei lá e logo me vi com a sensação de ser um bebê.  Não sabia andar, não sabia ler, não sabia falar, tampouco gesticular.  As diferenças culturais eram maiores do que inicialmente imaginara.  Desde coisas bobas, como, por exemplo, entrar na carona de um carro ou andar na calçada (no Japão, o trânsito é mão inglesa!), até minha total falta de habilidade com a língua. Só se percebe o valor de se poder ler uma palavra e associá-la a um contexto, como  drugstore e farmácia, por exemplo, ao se ver a palavra 薬局 e não se ter a mínima noção de como pronunciá-la, mesmo sabendo que se trata de farmácia.  Era um analfabeto.

Mas, aos poucos, as coisas foram se encaixando. Os cursos de japonês oferecidos pela universidade, os programas de homestay promovidos pela prefeitura, os  飲み会 (nomikais) com o pessoal do laboratório, tudo concorria para que o meu sentimento de pertencimento aumentasse a cada dia. Nesse aspecto, o da integração, a disposição de todos que me receberam foi muito grande. Foi impossível me sentir desamparado!

Enquanto isso, a pesquisa andava. Fiz o entrance examination (não basta ganhar a bolsa!) meio ano após minha chegada e acabei entrando no curso de doutorado já em outubro de 2006. A minha pesquisa focou no comportamento aerodinâmico de pontes super-longas, uma especialidade do Japão. O meu orientador, Prof. Masaru Matsumoto, era (e ainda é!) uma referência mundial nesse assunto. Isso foi determinante nas definições das premissas e no andamento da minha pesquisa. Contudo, ao longo do curso, ele se aposentou e o Prof. Hiromichi Shirato conduziu a finalização do meu trabalho. Prof. Shirato, um grande mestre, contribuiu de maneira decisiva para o sucesso do meu doutorado.  Ainda hoje, mantenho contato intenso com ambos. Os desdobramentos da minha pesquisa têm possibilitado a redação de artigos científicos em conjunto e a participação em eventos.

Um ponto alto dessa minha experiência nipônica foi o envolvimento que tive com as pessoas que conheci por lá. Não só japoneses, mas pessoas de todos os rincões desse planeta! Forma-se uma grande família entre os estrangeiros, e os japoneses tomam parte desse processo. Kyoto é uma cidade especialmente propícia para esse tipo de envolvimento. Tem o tamanho ideal, com tudo que uma cidade grande precisa, mas com o charme e o calor humano de uma cidade pequena. Além disso, é um poço de cultura japonesa. Por ter sido capital do país por cerca de mil anos, abriga diversos pontos de alta relevância no contexto histórico do Japão. Não há final de semana monótono!

Mas nem tudo eram flores. A saudade que batia, a ansiedade por resultados e o medo do fracasso eram sentimentos constantes. A vida no Brasil continuava e sentia-me alheio a tudo. Essa incapacidade de participar da vida da família, da dos amigos e da própria vida no meu país trazia muitas frustrações. Mas até isso teve seu lado positivo: fortaleceu-me! E eram nessas horas que a “família” do Japão se mostrava mais importante. Os eventos sociais, como passeios, “churrascos” e reuniões foram importantíssimos para a minha “sobrevivência”, e guardarei para o resto da vida as memórias que tenho dessas oportunidades.

O resultado de toda essa experiência foi um reaprendizado sobre a vida. Fui um “diferente” e fui aceito. A constante vontade de integrar e a paciência que sempre tiveram comigo mostraram-me o valor da coletividade e o quanto isso é importante para um país. O sentimento de “querer contribuir”, que os japoneses demonstram a cada oportunidade, e a noção de que o direito individual não deve interferir no coletivo resultam em um comunidade organizada e preparada para enfrentar qualquer desafio que se imponha. Vivendo nesse ambiente, cresci como cidadão. E isso foi o meu maior ganho naquele país. Aprendi a ser um brasileiro melhor.

 

Cristiano Augusto Trein

Kyoto University – Doutorado em Engenharia Civil (2006/2009)

 

[Para saber mais sobre a bolsa, clique aqui!]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *